Pesquisa neste blog =D

30.6.09

Preconceito e Discriminação


(Eu sempre explico o que me fez pensar sobre tal assunto... acho que talvez deva ser pra mostrar que não é uma maquina que gera os assuntos desse blog, mas uma pessoa normal e comum que tem suas próprias reflexões sobre o mundo e tempo suficiente pra compartilha-las aqui :P)

Ontem (ou anteontem, não sei - minha memória eh muito traiçoeira) eu estava almoçando e assistindo o jornal do meio dia do SBT (o "SBT Rio Grande") quando vi uma reportagem que me fez pensar: era sobre uma 'mini-parada gay' que aconteceu na capital. Os gays (e qualquer outros que estivessem juntos com eles na passeata) reclamavam o 'direito de integridade' porque muitos grupos neo-nazistas estavam ameaçando-os por causa de sua opção sexual.

Como ha alguns dias eu andei discutindo por email exatamente o mesmo assunto com meu professor de sociologia (professor q verdadeiramente me introduziu a assuntos relativos a politica/economia/sociologia), resolvi escrever sobre isso aqui.

Sobre o assunto:

A excessiva defesa a movimentos racistas/sexistas foi um dos motivos predominantes pra eu deixar de apoiar os partidos da "esquerda" - tanto a revolucionaria (PSTU/MR) quanto a repúblicana (PSOL) (sim, eu quase me filiei ao PSTU xD).

Não que eu seja contra homossexuais, que eu considere que as mulheres tenham que viver abaixo dos homens ou que o branco é melhor que as outras raças. Eu convivo (e convivo bastante) com negros/indios/asiaticos (e suas misturas, ja q no Brasil ninguem é de uma raça só), mulheres e gays muito bem e numa boa.

E isso também não tem a ver com a minha fé (porque muita gente acha que cristãos são contra gays). Eu sou cristão e, de fato, como tal, considero o ato pecaminoso. Mas Deus ama os pecadores e nós também devemos amar (e a Bíblia se resume nisso: amor a Deus acima de todas as coisas e amor ao próximo como a si mesmo).
Existe ainda um trecho na Bíblia que diz que "nossa luta não é contra carne e sangue, mas contra principados e potestades", o que quer dizer que não devemos condenar o homossexual por sua prática, mas o homossexualismo em si. Em 1 Corintios 6.10 diz que nem os efeminados nem os sodomitas herdarão o Reino de Deus. O que não quer dizer que não devemos amá-los, pregar o evangelho a eles e, principalmente, não quer dizer que eles não possam se arrepender e seguir a Cristo.
Importante frizar que condenar o homossexualismo em si não é preconceito contra o indivíduo. Essa palavra tem perdido o sentido etimológico real conforme tem sido usada nos meios de comunicação pra difundir uma ideia pejorativa. Preconceito é um conceito prédeterminado sobre alguma coisa. Condenamos o homossexualismo entendendo o que ele é e baseado em determinações Bíblicas. É praticamente como condenar o cigarro (sem condenar o fumante). Não condenamos o homossexual (o que de fato seria crime) porque Deus não nos permite julgar ao nosso irmão. Somos todos semelhantes e Ele eh quem fará o papel do juiz na plenitude dos tempos.

Enfim, minha avaliação segue outro rumo que não tem nada a ver com minha crença. Eu considero que ela tem um fator sociológico, ou talvez antropológico (ja que eu não distinguo muito bem os dois termos): tem a ver com a 'moda'.

Se alguém entrar no meu orkut (está no 'cabeçalho' do blog, onde diz "AQUI") e clicar no botão "ver perfil inteiro" vai se deparar com o seguinte texto:

Sou Branco, do sexo masculino e heterossexual.

O gênero que mais sofre preconceito no século XXI.

Dia do orgulho Branco = Racismo.
Dia do orgulho Negro = Homenagem.
Dia do Homem = Machismo.
Dia da Mulher = Homenagem.
Passeata do orgulho Heterossexual = Preconceito.
Passeata do orgulho Gay = Homenagem.

Sem comentários.
Já pararam pra prestar atenção que de fato as coisas funcionam assim? Não existe delegacia do homem, mas ja existe delegacia pra mulher. Se um negro sai na rua com uma camiseta escrito "orgulho negro" todo mundo acha bunito, elogia ou não da bola. Se um branco sai na rua com uma camiseta escrito "orgulho branco", apanha na rua e ainda vai parar delegacia.
Ora, o negro pode ter orgulho da própria raça, o branco não? Tem muita gente que gosta de ser negro, por que ninguém pode gostar de ser branco? Eu gosto de ser branco e nem por isso sou racista. Da mesma forma com as outras raças: índios e asiáticos podem se autoafirmar sem problemas. Os vilões da história são os homens brancos. É moda ter o branco de vilão (repito que não tenho problema nenhum com pessoas de outras raças: vivo no Brasil, ser racista aqui chega a ser contraditório xD)

Voltando ao assunto da passeata dos gays, que é onde tudo começou: eu garanto que mais da metade das pessoas que discriminam gays, não discriminam a opção sexual deles. A principal discriminação vem da forma como eles agem/vestem/se comportam.

Pra ilustrar isso eu sempre lembro de um professor que eu tive que era gay, mas que eu passei um bom tempo pra descobrir. Descobri que ele era gay porque um dia ele não nos deu aula porque ia viajar com o namorado. A opção sexual dele não deixava ele 'afetado', preferindo usar roupas estravagantes e coloridas e falar de um jeito 'abobado', seguindo os estereótipos. Ele era gay, mas era um homem normal.

Já o contra-exemplo é o carnaval. Nas festas de carnaval tem muitos homens heterossexuais que se vestem de mulher mas mesmo assim não são gays. Eles se vestem de mulher por brincadeira e de fato muita gente acaba folgando neles. Eles são "discriminados", mas nem por isso precisam de uma delegacia só pra defender eles. Eles se expõem daquele jeito por conta própria e sofrem o que eles mesmo se propuseram a sofrer. Chamar isso de 'preconceito' é estupidez. Mas ninguém espera que homens vestidos de mulheres saiam do carnaval e vão trabalhar/estudar/viver suas vidas normalmente, como se tudo estivesse em ordem. Se o fazem, o fazem sabendo que vão chamar a atenção e consequentemente vão sofrer "discriminação" (não pejorativamente - vão ser incomuns em meio aos outros).

É mais ou menos como se eu fosse pra aula e derrepente, aqui no Rio Grande, a professora aparecesse vestida de baiana, agarrando um acarajé. É ÓBVIO (repito: ÓBVIO) que ela ia se destacar e, não dificilmente, ia fazer muita gente rir. Mas ela que se dispôs a isso. Não é crime achar nada engraçado.

Independente de toda essa reflexão, ainda vemos gente dizendo "coitado deles, são discriminados e bla bla bla". Meu professor não era discriminado, ele era gente boa e a opção sexual dele não deixava ele nada diferente de outras pessoas. Se existem pessoas que usam os estereótipos gays pra matar um pouco de sua carência e necessidade de chamar a atenção, não é o homossexualismo que discriminam, mas a extravagancia. Mas como é "moda" defender neh...

Já sobre a passeata: grupos neonazistas não discriminam só gays. Discriminam negros, punks, latinos, etc... enfim, na minha opinião são gente aqui do sul que brigou com o vizinho e quer descontar a raiva em alguem (só assim, porque nem tem como ser racista no Brasil, é todo mundo misturado mesmo). Essa gente tem que ser perseguida pela polícia. E se houve alguma passeata pra lutar contra grupos neonazistas, ela deveria ter a marca de todos os discriminados e não levar exclusivamente o carimbo do arco-iris.

Paztejamos
e amor,
e compreensão,
e amor de novo...
e nunca ódio!

Um comentário:

  1. Muito bom!!


    que o senhor Jesus continue te abençoando


    um abraço.

    ResponderExcluir

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: