Pesquisa neste blog =D

6.10.09

Quatro razões por que não vamos ao apelo

Todos já devem estar acostumados. O pregador típico do nosso meio, após a exposição de sua mensagem, faz o “apelo”: um convite àqueles que teriam sido “tocados” pela mensagem, para que se dirijam a frente do púlpito (local conhecido às vezes como “altar”), afim de receberem a oração do pregador, para a salvação (no caso dos visitantes, ou mesmo dos membros da igreja em alguns casos) ou para a resolução de seus problemas (no caso dos membros da igreja, ou mesmo dos visitantes em alguns casos).
Minha irmã, Fernanda, falou-me sobre o problema de muitas vezes sermos constrangidos a responder o apelo do pregador. É como se fosse o nosso dever ir lá e receber a “oração da fé” e conseguir a “benção da semana” (ou a “benção do dia”, no caso dos congressos). Se não formos, é por que somos “duros” e não queremos atender a mensagem do pregador.
Com fins de esclarecimento, gostaria de expor as nossas razões de porque não vamos ao apelo:

1. Em primeiro lugar, tu não vais encontrar nada que apóie a prática do apelo na Bíblia. Aqueles que recebiam as Boas Novas eram ordenados pelos apóstolos a receberem a imersão em água (batismo).

“Ouvindo isso, eles sentiram o coração transpassado e perguntaram a Pedro e aos demais apóstolos: Irmãos, o que devemos fazer?
Respondeu-lhes Pedro: Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo para a remissão de vossos pecados. Então, recebereis o dom do Espírito Santo. “
Atos 2.37-38

O batismo, e não o apelo, era a demonstração pública de que alguém recebera Jesus como o Messias esperado. Hoje em dia, o batismo perdeu um pouco desse sentido, uma vez que muitos se batizam sem saberem do significado da imersão em água.
A idéia do apelo como meio evangelístico não existia entre os Apóstolos.
E a idéia de que um crente no Messias deve demonstrar várias vezes que crê nele no apelo (quando nós vemos crentes respondendo ao apelo evangelístico do pregador...) é completamente estranha e esdrúxula, uma vez que ele já o fez no batismo, de uma vez por todas.


2. Em segundo lugar, rejeitamos a idéia de responder ao apelo para arrependimento de pecados cometidos (denunciados na mensagem) A experiência mostra que as pessoas não vão deixar seus erros só por causa de um apelo e uma oração. O arrependimento é uma atitude de vida que deve durar em período integral, com a supervisão e aconselhamento do pastor ou outro líder da pessoa, e com a ajuda de seus irmãos, de sua congregação.
3. Em terceiro lugar, rejeitamos a idéia responder ao apelo para “receber uma benção” no culto. Com perdão da sinceridade com que vou escrever (não se ofenda, peço-te, mas é a verdade), a idéia de “vir no culto pra buscar uma benção” é uma violação à adoração ao Eterno. Talvez você não o faça por mal, o que é perfeitamente compreensível. Mas entenda que tu estás lá é para adorar ao Eterno, bendito seja, e ter comunhão com os teus irmãos! Bênçãos? Ele te dá todos os dias!Se precisares de algo, é só orar a Ele. E se tu o obedeceres, será verdadeiramente abençoado!


4. Em quarto e último, muitos crentes vão ao apelo para “sentir” algo. A “sensação boa” que faz muitos chorar, tornou-se um costume, e por que não dizer, um vício. Repare nas pessoas que vão ao apelo. Amanhã, irão de novo. Semana que vêm, irão de novo. Mês que vem, de novo. Ano que vem, de novo. E aí? Mudou alguma coisa na vida delas?


Bem, são estas as nossas razões de porque não vamos ao apelo. Tu não precisas ir ao apelo. O pregador não necessita fazê-lo. Eia! Vamos voltar aos caminhos antigos! Vamos voltar a Bíblia! Por que não necessitamos de inovações desse tipo (o apelo não é muito antigo), que nos servem de vício.

Paz seja convosco.

Um comentário:

  1. o ponto 3 é perfeito! xD

    e sobre o ponto 4: aparentemente a vida dessas pessoas funciona como um tipo de 'interruptor'. As vidas não se transformam: não se inclinam a serem mais solidarias, amigos, fraternas, amigaveis, etc, com o proximo; mas apesar disso suas vidas "mudam" (mudam?) a cada culto.

    O que me faz chegar a seguinte conclusão: se a vida da pessoa é X num determinado instante, ao aceitar o apelo a vida da pessoa muda, ou seja, se torna 'não X'. No culto seguinte, ao aceitar o apelo, a vida da pessoa volta a ser X, por se tratar do oposto de 'não X'. Sinceramente, acho que ela não quer esse tipo de efeito xD

    HEAUHEUAHEUAH

    flws ae =D

    ResponderExcluir

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: