Pesquisa neste blog =D

16.8.10

Irã e Israel: Dois Pesos, Duas Medidas



O Oriente Médio é uma palhaçada.

Mas o mundo é um grande grande GRANDE circo nesse aspecto.

Qual aspecto? religião.

Contextualizando: depois da Segunda Grande Guerra, com o Holocausto e a morte de milhares e milhares de judeus, o "mundo" (ocidentalizado) ficou com peninha dos judeus e resolveu que a terra que eles consideravam santa devia voltar a ser deles. Claro, óbvio, se a terra santa deles fosse no meio da Europa eles nunca iam resolver isso. Mas como era no meio do nada, num lugar conhecido como Palestina, onde uns homens narigudos, conhecidos como árabes, habitavam, não tinha por que não fazer isso. Os tais árabes não ficaram muito satisfeitos com a perda de territórios (evidentemente) e desde então é guerra por causa disso.

O tal Estado de Israel é fundado nessa gambiarra.

Se o problema fosse só deles não dava nada. Mas o chato é que os "grandes" (conhecidos por Europa e EUA) resolveram que dão todo apoio ao Estado de Israel (sabe-se lá por que) e defendem tudo que eles fazem. Se o Irã mata Israelenses (ou Israelitas, sei la) é um horror, sai na mídia como sendo um massacre, uma catastrofe, uma blasfêmia. Se Judeus matam irãnianos é porque eles tão se defendendo, um ataque bem feito, uma proeza.

Não bastasse isso, deram em achar fundamento bíblico pra apoiar Israel. E o pior é que tem MUITO cristão concordando com isso! (coisa que não me entra na cabeça!).

Dizem que quando o estado de Israel se fundamentar como país, é porque ta chegando o fim do mundo e bla bla, que é nação escolhida de Deus, que os judeus isso os judeus aquilo...

Meu ponto é o seguinte:
1- Pra assegurar esse apoio tu tem que aceitar uma interpretação fechada da Bíblia sobre vários assuntos e concluir isso como implicação - coisa que eu discordo. Primeiro porque tirar interpretações fechadas de textos como em Apocalipse, Daniel, Ezequiel, Isaias e Jeremias é loucura! Algumas coisas dá pra se concluir, outras é uma especulação discarada sobre o assunto que os religiosos insistem em tratar como "doutrina" ... e ainda dão um nome bonito: "escatologia" ¬¬

2- Uhul, vou apoiar um Estado maluco fundado sem fundamento, no meio do território dos outros. Israel foi criado no seguinte intúito: procurar sarna pra se coçar. Tem muito judeu contra esse "tareco" (como diz meu professor de Física). Além disso, ao contrário do que se esperaria de um país "apoiado por Deus" - como proclamam os apoiadores - o Estado é laico (e não Teocrático, ou pelo menos fundamentado no Judaísmo, como o Israel da Bíblia);

3- Por favor. Se eu tivesse dinheiro, influência, poder ou nobreza suficiente, como faziam os barões do período colonial, eu podia cercar um pedaço de terra aonde eu quisesse e chamar pelo nome que eu escolhesse: inclusive Israel. Israel é só um nome; se eu fosse judeu e fizesse um clube de futebol com esse nome garanto que ia ter muito cristão que, por essa lógica, torceria por mim xD UHEAUHEUAHUHAUE

Agora sobre as notícias:
Li há pouco (o que motivou esse post... ou pelo menos foi o "estopim" para ele) que os EUA estão preucupados com a liberdade religiosa no Irã. Me poupe: já se perguntaram se existe preconceito contra muçulmanos em Israel? garanto que sim. Em todo o mundo dito "ocidetalizado" existe preconceito contra muçulmanos. Falar em árabe é lembrar automaticamente em "terrorismo, torres gemeas, homens-bomba, al-qaeda, e etc". Há pouco tempo atrás até rolou um vídeo super preconceituoso sobre o Islamismo dominar o mundo. Coisa mais ridicula ¬¬

É só lembrar do que as notícias fazem com o Ahmadinejad: tratam com tanto preconceito quanto tratam o Hugo Chavez... falando que ele vai atacar Israel, que ele vai construir a bomba atômica e o escambal. Acho super hipócrita, primeiro porque os EUA (os principais chatos do ocidente) tem a tal bomba, e segundo porque esse tipinho de "sou contra" é incompatível pra quem quase elegeu Enéias.

Eu imagino Israel. Eles não dizem nem disdizem que tem a tal bomba atômica, mas os "grandes" estão do lado deles, então segue a regra "dont ask dont tell". Mas com o Irã não. O cara quer fazer energia pra melhorar o país, super patriota que o cara é, e ficam no pé dele dizendo "deixa eu ver se tu nao ta fazendo um rojão pra tasca em Israel" ¬¬ me poupe. Não me admira que ele não deixe a "comuniade internacional" ver... já deve ta de saco cheio dessa gente que não desgruda.

Mas não para pelo Irã. Lembremo-nos do Iraque, invadido há anos pelos EUA, junto com o Afeganistão, com a desculpa de "haverem armas biológicas" nunca encontradas. E lembrando também que os EUA não se metem nas invasões da Rússia (e nem sai na mídia, diga-se de passagem), nem no modelo ditatorial político da China - claro, pra que? o importante é eles estarem no mercado.

Por fim, na contramão do sistema, pelo menos nesse aspécto, vem meu presidente Lula e seu companheiro Celso Amorim. Dois caras que, pelo menos na conversa, são bons. Uma pena minha candidata a presidência (Marina) já não gostar do Irã ... apesar de eu gostar de estereótipos (não pra delimitar, mas pra traçar uma noção das coisas), detesto esses preconceitos infundados - tanto com os judeus amadinhos queridinhos fofinhos de Israel que podem fazer tudo em prol da vida, paz, harmonia, liberdade e democracia; quanto com os islâmicos, muçulmanos, terroristas, homens-bomba, bitolados, que fazem tudo pra ser contra a sociedade judaico-cristã ocidental porque no fim o que vale são as 72 virgens :P

Paztejamos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: