Pesquisa neste blog =D

12.10.10

Jesus Salva, Cura e Liberta


Não gosto dos cliches. Eu considero que eles afirmam estereótipos e afastam as pessoas do que deveria ser aquilo que está em questão.

No caso do cristinismo um exemplo de clichê é esse do título. Outro é aquele de que crente não pode fazer um monte de coisa (fumar, beber, ir em festas, bares, usar bermuda); tem também aquela história de que crente é um bicho barulhento que fica gritando na igreja, ou que anda sempre de terno com a Bíblia debaixo do braço... essas coisas que ta todo mundo acostumado a ouvir.

Não gosto especialmente quando alguém submetido aos clichês dá mais motivo para que eles se reforcem. Quando, por exemplo, um crente conversa com alguém que não é crente e estimula a idéia de que os clichês são de fato reais. Assume o estereótipo.

[Foi o caso do nosso evento da mocidade desse fim de semana que (deveria ser 'evangelístico' mas) acabou regado a "incendeia Senhor a sua igreja" seguido de "Faz Chover", acompanhados de gritaria, ternos, saias, e etc, coisas simplesmente incompreensíveis pro público não-crente que passa e que só dá motivo para que não se visitem igrejas evangélicas.]

Como é pra se notar, "puxo a brasa pro meu assado" quando falo em crentes, porque é deles que eu quero falar.

Eu sou crente. Não fumo, não bebo, não vou a festas nem shows. Mas poderia. As vezes bebo vinho em casa (principalmente no inverno) ou cerveja na rua, só pra dar um exemplo. Uso roupas normais e detesto terno e gravata, mas as vezes uso por me exigirem para participar dos cultos na igreja. Normalmente não carrego a Bíblia debaixo do braço, mas poderia sem problemas (e inclusive as vzs o faço quando vou para algum momento em que a Bíblia se faz necessária).

Mas uma diferença há entre todos os clichês citados e o clichê do título: o do título de fato É REAL!

Fim de semana passado (anterior a esse) foi aniversário da minha prima. Essa prima é uma que esteve no hospital com um virus no cérebro, que os medicos diziam que não ia se salvar e que se se salvasse, teria sequelas; mas que, depois da busca do meu tio (pai dela) por Deus, melhorou incrivelmente rápido e ficou boa, sem nenhum problema.

Nesse aniversário encontramos o Max. O Max é um conhecido de muuuuuuuuito tempo, que já frequentou igrejas, trabalhava com meu tio, toca contrabaixo e violão e é conhecido de alguns amigos da igreja. Ele há algum tempo atras estava enfiadíssimo no crack. Esteve com menos de 50kg, morou no meio do mato e vendeu até o colchão onde dormia pra comprar drogas.

Há algum tempo ele foi parar num centro de recuperação. Hoje ele faz parte de uns 3 grupos de jovens para prevenção e recuperação de viciados, trabalha e sempre fala em Jesus e como conseguiu se recuperar.

É impossível não ver Jesus na recuperação dele. Ele não fuma, não bebe, está bem, faz exercícios, e tem uma vida com sentido. Está Salvo, Curado e Livre. Jesus mudou a vida dele.

A história da minha prima e a do Max são provas de como o nosso título não se trata de clichê.

Agora a questão é: o Max não um cara que 'não pode fumar', 'não pode beber' ou etc. Ele é um cara que esteve preso a isso, escravo disso e agora está livre. Pode viver sem isso, coisa que muitos no nosso mundo que não se sentem viciados em nada não conseguiriam. Isso é estar liberto. O Max não é um cara preso a cliches, barulheira, emocionalismo, cortes de cabelo ou roupas; ele é um cara que provou a existência de Deus e Sua misericordia e agora quer retribuir isso a Deus como Ele instruiu: não com atitudes supérfluas como ficar orando 8 horas por dia sem ajudar o próximo, mas fazendo coisas úteis como participar de grupos de recuperação e prevenção. Isso é ser sal, luz... amar ao próximo tanto como a si mesmo que tenta fazer com que o próximo não sofra com aquilo que não precisa.

Enfim... é isso... Jesus é bom :P
Paztejamos.

Um comentário:

  1. Há uma diferença substancial entre a mensagem original de Jesus, e as camadas de esteriótipos criadas por movimentos e denominações. É triste quando pensamos serem a mesma coisa, e assim apresentamos aos outros a padrão denominacional com o nome de "Evangelho".

    ResponderExcluir

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: