Pesquisa neste blog =D

28.11.10

keep real, man

Eu não vou conseguir. São duas semanas pra aprender o conteúdo de um semestre. Duas recuperações, e ainda tem as provas das cadeiras normais, isso sem falar nas apresentações da cantata de Natal.

Se fossem só as apresentações beleza, mas são os cultos, os ensaios, as cooperações. Ainda tem um batismo, ensaios aqui e lá!

Além disso ainda tem a bolsa: ler em inglês não é algo que eu faça normalmente, principalmente com linguagem tecnica sobre um assunto que eu nem cheguei a ver em cadeira nenhuma :X E pra piorar ainda tem que fazer um seminário e apresentar.

Tem ainda os trabalhos, os relatórios. Merda! deixei tudo pra última hora! e agora quem poderá me defender?!

Não estou reclamando dos compromissos. Se pudesse, assumiria o dobro deles. Também não é questão de não ter capacidade ou ser impossível: se tivesse me organizado melhor e sido menos vagabundo, sairia dessa com louvor e notas dignas de As. Mas nem tudo são rosas e, como eu passo mais tempo lendo blogs, notícias, coisas inúteis, tocando flauta ou namorando, não me presto a estudar quando precisa e fazer o que é necessário.

Rodar não vai me tornar menos vagabundo, nem a bolsa, nem o tempo. O que pode me fazer menos vagabundo é vergonha na cara, coisa que definitivamente eu não aprendi a ter.

Todos os semestres esse tormento é o mesmo, coisa que me faz sentir péssimo! Chego a dizer "semestre que vem vai ser diferente, vou me puxar, vou tirar A em tudo". Mas é só conversa fiada, eu sou o primeiro a desacreditar desse tipo de comentário. Talvez alguém que não me conhecesse me comprasse, mas os de casa sabem que eu não sou assim e talvez nunca seja. Espero não deixar esse estigma pras gerações futuras.

Quando o tempo aperta apelo pra Deus. Meu irmão diria "muito conveniente né?", mas é o que eu sei fazer. Acredito nEle e acredito que Ele tem todo o poder. Mas acho que ele mesmo deve considerar injusto me ajudar nas minhas condições. Se nem eu mesmo me ajudei, quanto mais alguém alheio. Ele sabe que seria mais justo eu rodar pra aprender... mas, será que eu aprenderia?

Meu primo aprendeu, outros amigos também. Mas eu nunca me imaginei nessa situação porque estudar pra mim sempre foi brincadeira. Na escola estudar é piada e sempre há tempo bastante pra ficar no computador/internet/videogame. Na universidade o caldo engrossa e se eu quiser chegar no fim vou ter que me debruçar numa mesa sobre os livros e ler/fazer exercícios/assumir a condição de aluno.

Mas como é dificil fazer isso. Principalmente se tem um computador na nossa frente. Acabamos no Não Intendo, Tolices do Orkut, Ryotiras, e por aí a fora. Sem contar as voltas no orkut, comentários em foruns, fotos, felicitações de aniversário e qualquer coisa mais divertida que o livro. Quando vemos já se foram as horas e o livro ficou ali, entre os braços, mas esquecido pela mente que viaja pela internet.

Msn então nem se fala. A tentação de conversar com a namorada ou com o seleto grupo de amigos pra todas as horas é digna de rendição. Estudar de madrugada as vezes ajuda... as vezes.

Mas vamos falar sério, keep real, eu não vou conseguir! É pouquissimo tempo, muitas atividades. I'm suffering! Meu esforço é em vão e eu sei disso. Deveria seguir o conselho do professor do cursinho - no meu tempo de cursinho - e admitir que vou rodar, ir mais cedo pra praia, sei lá. Mas por algum motivo estou aqui ainda. E num daqueles devaneios internetisticos, caio no blog a escrever baboseiras segundo minha baixa autoestima em relação a isso.

Durante, sei la, 6 horas que eu tenho para parar na frente de um livro estudando, 4 se esvaem pelo vão dos dedos, enquanto digitam compulsóriamente aleatóriedades na internet. E o pior, não é lazer, é escravidão.

Eu tenho muitos interesses de lazer, coisas que quero fazer e não consigo. Esses sim, os lazeres, era o que eu queria estar fazendo enquanto não estou estudando. Mas não consigo tempo pra eles também! Uma boa conversa com uma amiga com quem não falo há tempos se tornou algo improvável nos últimos tempos.

AAAAh! Eu quero que se passem os dias, que cheguem as provas, trabalhos e afins e que o Natal venha. E com ele virão as festas, as alegrias, e por mais que eu rode, estarei lá ano que vem, sentado na mesma maldita classe, me deparando com os malditos livros, e ano que vem sim, vou estudar religiosamente como quem ora voltado pra Meca todos os dias durante um horário determinado, e terei meus azes pra mostrar pra minha mãe, com que me orgulhar e se orgulharem de mim.

.


.

.
Ou não.

Paztejamos, se for possível.

Um comentário:

  1. Faço minhas tuas palavras, sob quase todos os aspectos XD

    ResponderExcluir

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: