Pesquisa neste blog =D

4.12.10

Imperfeição

Se tem uma coisa que eu não gosto de ver na igreja são pregações endeusando personagens bíblicos.

É o que mais se vê por aí. Comentários como "quando Elias passava ele emanava luz, que dava pra ver que ele era consagrado a Deus"; ou "Abraão, quando Deus falou "sai da tua, casa do meio da tua parentela", ele nem pestanejou, nem questionou: obedeceu de imediato; ou ainda "Davi era diferente dos outros porque era segundo o coração de Deus e bla bla bla".

Pregações em que se le um versículo como "E Samuel orava e crescia na presença do Senhor" e se faz devaneios e devaneios em cima dessa passagem, endeusando, puxando o saco, como se o personagem bíblico fosse perfeito, sem defeitos, ou como se ele fosse tão melhor que nós que isso justificaria o nome dele estar escrito na Bíblia.

Sinceramente, não acho muito interessante endeusar ninguém. Desde Abraão, Isaque e Jacó até o próprio pastor. Única excessão é Jesus, cujo nome ninguém precisa endeusar porque Ele mesmo se encarrega disso.

Mas me cansa, me enche o saco, não cumpre o propósito de pregação e é antibíblico.

Se tem alguma coisa que a Bíblia faz questão de mostrar bem são os defeitos dos personagens sacros. Um mente que a mulher é irmã pra não correr perigo. Outro se embebeda e amaldiçõa o filho. Outro mente que é o irmão pra ganhar a benção do pai. Etc etc etc. TODOS são defeituosos, ou equivalentemente, humanos. Por isso eu considero 'antibíblico' esse tipo de coisa.

Me cansa e me enche o saco é subjetivo: não explico porque. Simplesmente me encomoda, sei lá. Acho que porque não é útil e talvez distorça as coisas. Mas não tem explicação, simplesmente me cansa e me enche o saco.

Não cumpre o propósito da pregação porque, por definição, pregação deveria ser pregar o Evangelho. Dizer como Deus nos ama e o que fez por nós. Isso, na minha concepção das coisas, é falar de Jesus, explicar como a Bíblia se encaixa, falar das obras de Deus, etc. Ficar adulando um personagem bíblico de graça não tem propósito. Nem que essa 'puxasaquice santa' seja do tipo "temos que ser como esse irmão porque assim seremos com Deus", isso não ajuda porque estimula outros a fazer essa interpretação distorcida da Bíblia e não mostra o sentido real das coisas.

A idéia, pelo menos na minha cabeça, nunca foi ficar mostrando as qualidades dos personagens bíblicos. A moral da Bíblia me parece mais do tipo "olha como, apesar de toda essa gente ser imperfeita (inclusive nós), Deus ama eles (e nos ama) tanto que mandou seu filho tanana tanana". Esse sentido parece mais explicativo e fácil de aceitar e entender.

A visão de "personagens santos" estimula a culpa. Faz com que nos sintamos mal por não sermos tão perfeitos quanto os tais personagens. Estimula a lógica "tenho que orar tantas horas por dia, tenho ler tantos capítulos da Bíblia por dia" etc. Não serve.

Enfim... se alguém tem algo a contrapor, sinta-se a vontade. Mas pelo menos eu penso assim (agora - porque sou pensante e posso mudar minha opinião :P).

Paztejamos

2 comentários:

  1. Bem, caro Jaen, interessante colocação sobre a tua opinião com relação aos pregadores que endeusam personagens bíblicos.

    Só uma coisa me entriga, tu concordaria comigo se disesse: "Nenhum homem que está na Bíblia, com exeção de Jesus, Se equipara a Deus, mas estariam lá por atos (alguns nem todos) feitos como exemplos a serem vistos e reaproveitados para uso. Por exemplo, Davi realmente errou, traiu, mas logo em seguida viu que ele mesmo merecia morrer. Importante: Arrependimento sincero após erro."

    Meu ponto de vista, homens não merecem nenhuma honra, todos são pecadores (excluindo Jesus), mas olhar para homens em que Deus depositava confiança me estimula realmente a viver mais pra Ele, "para Deus", não para tais personagens. Quando Jó perdeu tudo e mesmo assim não abandonou Deus, realmente, olho para mim e me pergunto, poderia fazer algo como ele, mas não o endeusando, e sim reconhecendo que ele fez algo que muitos não fariam e se não fosse por isso, talvez, não estivesse na Bíblia. Vejo os personagens da Bíblia como desafios próprios, mas é tudo um ponto de vista exclusivo meu, tudo sem pular por sima do tua maneira de pensar.

    Concluindo, pregadores precisam pregar o amor a quem precisa saber do amor de Deus, mas a quem o conhece deve, sem dúvida, extimular desafios por esse amor.

    Deus te abençoe meu irmão, e que a paz do senhor esteja sobre a tua vida, obrigado pelo convite de comentário.

    ResponderExcluir
  2. Mesmo que eu não diga pra comentar, o desejo que alguém comente o que eu digo é sempre implicito. Até porque é muito chato, triste ou entediante escrever sem que ninguém diga o que achou :P

    Sim, com certeza concordo contigo que vários dos personagens bíblicos dão bons exemplos, que devem ser seguidos. O meu problema é quando a adulação é de graça (o que acontece bastaaaante mesmo). Pensei ter deixado isso claro, mas lendo meu texto, talvez não tenha dado a entender isso.

    Além disso, o problema de mostrar as qualidades é a de não mostrar os defeitos. A maioria dos personagens com exemplos bons a serem seguidos tem um contraexemplo mal a não ser seguido. Seria no mínimo interessante lembrar desse mal exemplo, pra não deixar o personagem perfeito. A Bíblia se encarrega de na maioria dos casos deixar esses contraexemplos, pra nos lembrar que eles não são mágicos ou idealizados.

    Mas não considero que os personagens bíblicos fizeram algo que talvez outros não seriam capazes. Eles não me parecem especiais, misticos, ou super-homens. Me parecem homens comuns e que pela vontade divina Deus quis manter as histórias deles (e não outras) no Seu livro. Eles com certeza andaram com Deus e fizeram coisas legais dignas de exemplos. Mas não que outros não possam ter feito algo parecido ou até 'melhor' (apesar de que 'melhor' é um conceito vago e subjetivo sobre o qual passariamos horas discutindo). E, importante, eles também erraram.

    Enfim =D

    Paztejamos

    ResponderExcluir

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: