Pesquisa neste blog =D

14.3.11

Voltaram a Contar os Anjos na Cabeça do Alfinete?

Li isso agora mesmo:

Desastre no Japão levanta polêmica entre pastores sobre a soberania de Deus

O terremoto de 8,9 graus que atingiu o Japão na última sexta-feira, dia 10, assim como as outras catástrofes naturais, colocam em questionamento até onde Deus governa o mundo. Seria Ele o responsável pela fome, terremotos, tsunamis e guerras?
Diante das notícias que seguiram no final de semana o pastor Ricardo Gondim usou o twitter para dizer que Deus não está por trás desses acidentes. “O deus que ‘administra’ os eventos, tem propósitos insondáveis e que, pra cumpri-los, deixa tragédias acontecerem, é um demônio”, escreveu.
O pastor acredita que Deus é amor e esse sentimento não deixaria que essas situações acontecessem no mundo. “É preciso sair do modelo grego de uma divindade marionetando, do alto, os eventos da terra. Deus é Emanuel: Deus conosco”.
Minutos depois, as frases de Gondim recebiam respostas de outros pastores que acreditam que a Bíblia diz que Deus é soberano sobre todas as coisas e está no controle do mundo.
“Por mais que queiram excluir Deus das catástrofes da natureza, é uma tentativa vã. Ele é soberano em qualquer circunstância”, escreveu em seu microblog o pastor Geremias Couto.
Outro pastor que usou o twitter para se expressar sobre essa polêmica foi o reverendo Augustus Nicodemos, da Igreja Presbiteriana. “Como o dilúvio, tragédias são determinadas por Deus como parte de seus juízos sobre nossa raça pecadora, para arrependimento. Não há inocentes”.
O chanceler do Mackenzie citou a Bíblia para comprovar que Deus está no controle do mundo. “Todas as coisas cooperam para o bem dos que amam a Deus” (Rom 8:28). Isto só é possível se Deus nos amar e controlar as circunstâncias,” escreveu.
Mas Gondim não se sente pressionado diante de tantas controvérsias e seguiu postando suas teorias ignorando pastores e  líderes ministeriais que enviaram mensagens discordando de seu posicionamento.
“O modelo teológico que coloca Deus no controle de um tsunami também o responsabiliza por Auschwitz, Ruanda, e pelo estupro da esquina,” disse o presidente da Igreja Batista Betesda que ainda rebate: “Pouco me importam as reflexões rigorosas, procuro enlevar-me pela grandeza de quem vive uma humanidade compassiva”.
O que dizer sobre um pastor que acredita que Deus não autoriza nem intervêm em circunstâncias que não afetam só um país como o mundo todo já que o terremoto em questão alterou o eixo da Terra em 10cm segundo informações das estações GPS do Serviço Geológico Americano e da Autoridade de Informações Geoespaciais do Japão.
“Se a sua teologia muda de acordo ao que acontece no mundo, então ela não está baseada na Bíblia, mas no mundo,” provocou Leonardo Gonçalves no twitter do Púlpito Cristão.
Ainda sobre esse assunto o jornalista e escritor, Maurício Zágari, também opinou dizendo que Deus intervém sim nas coisas do mundo, contrapondo a visão de Gondim. “Jesus acalmou o mar. Deus abriu o Mar Vermelho. Mas hoje os intelectuais da fé dizem que ele só fica olhando as marolas, sem intervir”, disse.
Fonte: Gospel Prime

Achei no blog missionário. Mas acho o diálogo muito 'sem procedência'. Por favor, Deus espera mais de nós do que discutir sobre se Ele está ou não está neste ou naquele evento mundial. Não sei como pode ser elemento de debate discutir a influência de Deus aqui ou ali. Pra mim os conceitos são claros, e minha fé foi construída assim: Deus está em tudo, Deus é, e tudo que acontece, se acontece, é segundo a permissão dEle.

Se desastres naturais e grandes catastrofes acontecem, acontecem conforme a permissão divina, mas isso não significa que seja 'culpa' dele. A permissão divina é diferente da ação ativa de Deus. Deus nos permite não aceitá-Lo e, por consequência, seguir para o inferno. Mas isso não o culpa pela nossa perdição, a culpa continua sendo nossa. Esse é o principio de livre arbítrio.

Mas putz, esse diálogo não é realmente necessário. Acho isso meio 'arrogancia teológica' ou até 'punheta teológica'. Esse é o tipo de discussão da qual eu não participaria, é uma teorização excessiva sem prática visível.

Enfim... Paztejamos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: