Pesquisa neste blog =D

1.4.11

Dobradinha Sobre Criacionismo/Evolucionismo

Achei as duas no criacionismo.com.br. Coloco os comentários do autor - Michelson Borges - porque julgo que úteis pra incentivar o pensamento. Eu, via de regra, desconfio um pouco de cada coisa. Mas gosto de crêr que existe de alguma forma a "mão de Deus" nisso tudo. Independente de como descobrirem que é, Deus estava e está no controle SEMPRE!

Pesquisa contesta "prova criacionista"?

A área de Kachina Bridge, em Utah (EUA), considerada uma evidência da teoria criacionista de que a Terra foi criada em um único dia [sic], foi submetida a uma análise de pesquisadores, que chegaram à conclusão final. As gravuras rupestres de dinossauros não seriam dos animais pré-históricos, mas sim uma boa pintura manchada. A Kachina Bridge é uma formação rochosa em forma de arco, com mais de 60 metros de altura, que traria inscrições de culturas pré-históricas e de representações de dinossauros. “A mais importante implicação nesses achados é que o sítio criacionista com evidências da coexistência entre dinossauros e humanos nem mesmo existe”, comenta em entrevista ao site LiveScience o paleontólogo Phil Senter, da Universidade Estadual Fayetteville, em Carolina do Norte. Os estudiosos analisaram quatro imagens do que parecem ser de dinossauros em várias situações: do olhar puro e simples, passando por binóculos e lentes especiais, com iluminação direta e indireta do sol e na sombra. “O dinossauro 1, apelidado de Sinclair, realmente se parece com um dino se visto por olhos comuns. Mas um olho treinado pode frequentemente enxergar o que um não-treinado vê.”

“Até nosso estudo, esta era a melhor gravura de dinossauros e a mais difícil de ser argumentada e interpretada porque se parece muito com um dinossauro”, Senter diz. “O ‘melhor dinossauro’ agora está extinto.”

Segundo o grupo, a visão dos dinossauros são ilusões de óptica iguais aos rostos e animais que vemos nas nuvens e nas formações rochosas da Lua [a diferença é que as pinturas de Kachina Bridge foram feitas por humanos]. Senter e a arqueóloga Sally Cole detalham seu trabalho na edição de março do jornal Palaentologia Electronica.

(Folha.com)

Compare com as fotos abaixo este esboço "forçado" dos pesquisadores
Nota: Curiosamente, os desenhos de mãos, pessoas e outros animais encontrados no mesmo local não mancharam. Somente a imagem dos dinossauros ficou manchada e constitui ilusão de óptica... Mas quem sou eu para contestar os especialistas? Não tenho “olho treinado”.

E o que um “olho treinado” vê, quando contempla, por exemplo, um único dente fóssil? R.: uma criatura completa! O que um “olho treinado” vê, quando analisa camadas sedimentares plano-paralelas em grandes extensões e sem evidência de erosão entre elas? R.: bilhões de anos de sedimentação. O que um “olho treinado” vê, quando constata variações no tamanho do bico de aves da mesma espécie ou analisa bactérias que adquirem resistência a antibióticos, mas que continuam sendo bactérias? R.: a macroevolução de uma “célula primordial” até um ser humano! O que um “olho treinado” vê, quando se dá conta da tremenda quantidade de informação complexa e específica no DNA? R.: acaso cego. O que um “olho treinado” vê, quando observa tecidos moles e proteína identificável em fósseis de dinossauros? R.: milhões de anos de extinção, assim mesmo. O que um “olho treinado” vê, quando olha para o período Cambriano com sua “explosão” de vida complexa e se dá conta de que no pré-cambriano não existem ancestrais evolutivos desses animais? R.: mistério.

Agora me diga uma coisa: De que maneira pinturas de humanos com dinossauros provariam a “criação da Terra num único dia”? (Esqueceram-se de que foi em seis, mas deixemos pra lá...) Provaria apenas que humanos conviveram com dinossauros. Na verdade, essas pinturas não são as únicas evidências dessa contemporaneidade. No capítulo “O que aconteceu com os dinossauros”, do meu livro A História da Vida (em nova edição ampliada), abordo esse e outros temas relacionados aos dinos. Há muito mais por trás dessa história que alguns pesquisadores e a mídia acham que resolveram por meio de conclusões enviesadas.[MB]

Curiosamente, apenas a pintura do dinossauro borrou. As outras, não
______________________________________
wewew

Lua de Saturno sugere que sistema solar seja “jovem”

Enceladus, uma pequena lua que orbita no anel E do planeta Saturno, ofereceu um número surpreendente de descobertas astronômicas em anos recentes. Uma nova reportagem mostra-a mais uma vez a desafiar as expectativas de quem acredita que o Universo tem “bilhões de anos”. Pesquisadores do Jet Propulsion Laboratory da NASA descobriram que essa lua produz muito mais calor do que seria esperado se o Universo tivesse “bilhões de anos”. A nave especial Cassini recolheu dados térmicos da lua. Esta mesma nave tinha já executado estudos semelhantes em Saturno e descoberto que o planeta é demasiado quente para estar de acordo com o modelo dos “bilhões de anos”.

Segundo esse modelo, Enceladus, tal como todas as luas e plantas do sistema solar, nasceu como resultado de uma bola de gás quente há bilhões anos. Segundo a lenda, passados alguns milhões de anos, os planetas e as luas deveriam ter perdido seu calor original para o universo circundante. Por essa razão, os astrônomos evolucionistas têm apontado para o ainda recorrente processo da fricção periódica como forma de gerar o calor que ainda é observado.

A lua se movimenta devido à atração gravitacional à medida que se aproxima e depois recua das proximidades de um corpo próximo, gerando desde logo fricção na sua crosta rochosa. De acordo com o JPL, um estudo de 2007 estimou a emissão de calor da lua Enceladus, tendo como base a fricção periódica dos “bilhões de anos”.

A estimativa previa que Enceladus não deveria ter mais que 1.1 gigawatts de emissão de calor como resultado das forças periódicas, mais uma pequena quantidade adicional resultante da radioatividade natural no interior da lua. Mas, e como é normal nas “previsões” baseadas no modelo dos “bilhões de anos”, a estimativa peca por escassa.

O título de um anúncio do JPL declara que “o terreno polar do sul da lua de Saturno Enceladus emite muito mais energia do que aquela que os cientistas haviam previsto”.

A reportagem, publicada no Journal of Geophysical Research, observou que “a energia do terreno da zona polar do sul de Enceladus é 15.8 ± 3.1 gigawatts” – ou seja, dez vezes mais do que esperado pelos astrônomos evolucionistas!

Em 2009, a ICR News reportou a gigantesca pena de partículas de gelo que está sendo ativamente expelida a partir de uma fissura da lua. Se Enceladus tem “bilhões de anos” de existência, por que a energia que sustenta essa emissão não acabou milhões de anos atrás? De acordo com a perspectiva dos mitológicos “bilhões de anos”, não há uma resposta cientificamente satisfatória.

No entanto, se Enceladus tem apenas alguns milhares de anos de existência, tal como nos diz o Testemunho Escrito Daquele que fez Saturno, suas luas e tudo o que há no Universo, então a presença dessa quantidade de calor e energia não é mistério.

Enceladus continua a emitir um brilho juvenil.

(Darwinismo)

Nota: Discordo apenas de um detalhe no artigo acima. Diferentemente do autor, acredito que nosso sistema solar seja “jovem” e tenha os alegados milhares de anos a ele atribuídos por alguns criacionistas. Quanto ao Universo, penso que ele possa ter os bilhões de anos calculados para sua existência.[MB]
_____________________________

Paztejamos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: