Pesquisa neste blog =D

19.11.11

A Subjetividade do Discurso Conservador

Participei no Facebook de duas discussões irrelevantes mas que demonstram bem a superficialidade dos argumentos daqueles que perpetuam os costumes antigos de maneira 'doutrinária' (como se fosse pecado andar fora dos costumes).

A primeira discussão tinha a ver com tatuagem. Eu disse que queria uma tatuagem e alguém surgiu contrariando minha vontade baseado supostamente na Bíblia. Seus argumentos se baseavam basicamente em duas idéias bíblicas que são intrínsecamente relativas.

[detalhe importante: não estou dizendo que a Bíblia é relativa. Uma doutrina teológica coerente se baseia em premissas objetivas da Bíblia. O que estou dizendo é que os argumentos a seguir usados para fundamentar uma vida "dentro dos costumes" são eles próprios relativos quanto ao seu sentido, visto que tratam, isoladamente, de idéias contextualizadas temporalmente e que são 'induzidos' - do particular ao geral - da maneira que o discurso convier]

A primeira dizia que "tudo me é licito mas nem tudo me convém". Esse é um argumento de Paulo quando escreve aos Corintios. Para os conservadores, esse argumento é uma forma sofisticada de apontar o dedo e criticar as atitudes diferentes daquelas tidas como "cristãs" pelos membros de determinada comunidade. No contexto, porém, Paulo está tratando do corpo, pregando a santificação, contrastando-a com a prostituição. Além disso, Paulo vinha citando uma lista de atitudes - idolatria, adultério, sodomia, roubo, avareza, etc - que não conduzem ao Céu. Portanto, Paulo estava pregando a Santificação.

A segunda dizia que "A Bíblia é um livro de princípios". Esse ponto não tem uma passagem explícita pra citar, e também é relativamente razo pra usar como argumentação quando dito simplesmente assim.

A segunda discussão que participei tinha a ver com a pessoa não entender como alguém pode se dizer cristão e não viver dentro dos princípios da vida cristã. A discussão fica subjetiva e sem muito o que se colocar de maneira lógica porque nunca se determinam os tais princípios. Os "princípios da vida cristã" é uma outra forma de usar o segundo argumento da primeira discussão.

Vamos, então, tentar esclarecer o que "me é licito mas não me convém" e o que são os tais "princípios da Bíblia" também conhecidos como "princípios da vida Cristã".

Jesus um dia disse que a lei (o Velho Testamento) se resumia em duas Leis Divinas: Amar a Deus acima de todas as coisas e Amar ao próximo como a si mesmo. Deus, quando libertou o povo de Israel do Egito, Ele mesmo entregou uma forma mais específica de como se poderia cumprir essas Leis - a saber, os 10 mandamentos. Moisés, baseado nesses 10 mandamentos e obviamente inspirado por Deus, criou uma infinidade de outras regras.

Assim, os Princípios da vida Cristã, que são os mesmos da vida Judaica, são explicados por Deus como sendo os 10 mandamentos. Qualquer um que não cumpra os mandamentos está pecando. Vamos abstrair idéias como o Sábado nesse texto - já escrevi sobre isso outro dia.

Como o homem é incapaz de cumprir ele próprio todos os mandamentos de maneira perfeita, Deus mandou Seu Filho para cumprí-los em nosso lugar, fazendo salvos a todos os que crerem nessa História. Isso é o Evangelho. Assim, o argumento de que alguém não pode se dizer cristão se não viver nos princípios da vida cristã é mais do que falho, visto que NINGUÉM é capaz de cumprir tais princípios - se alguém o fosse, não precisaria de Jesus, o que é inconcebível.

Quando a questão de "algumas coisas me serem lícitas mas não me convirem": eu acho que é muito mais coerente interpretar que Paulo está dizendo que, por mais que a lei local me dê liberdade pra muitas coisas, se essas coisas forem de encontro aos princípios de Deus (os mandamentos), eu não devo fazê-las. É o caso de algumas coisas da lista que ele cita anteriormente, assim como a prostituição que ele cita a seguir.

Fica aqui, por fim, meu comentário sobre tais argumentos. Ultimamente tenho concluído que muitas das contradições das igrejas por aí a fora - Assembléia de Deus principalmente - é por falta de entendimento de alguns conceitos chave na Bíblia, tais como Justificação, Santificação, Evangelho e Graça. Tenho feito um esforço pra escrever sobre eles de forma que, no futuro, eu possa linkar algum de meus textos quando estiver tentando esclarecer alguma idéia.

Paztejamos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Dá um apoio moral pro blogueiro aqui.
Comenta aí ó: