Pesquisa neste blog =D

24.12.11

Ah, O Natal

Hoje é vespera de natal e por um estranho acaso esse ano eu não vim preparando minha alma desde uns 10 dias antes pra chegar emocionado nesse dia. Inclusive esqueci meu aniversário até que chegasse o dia (20 de dezembro).

Nesse tempo todo mundo fica mais em paz, mais feliz, mais reflexivo, como se essa época fosse uma grande nostalgia de algo que ninguém viu acontecer (a não ser quem estava vivo há cerca de 2000 anos atrás, além de Deus e Seus anjos). Jesus nasceu e, legal, eu também acho bonito esse acontecimento.

E não podemos esquecer do Papai Noel filho da puta rejeitando os miseráveis, presenteando os ricos e cuspindo nos pobres (Garotos Podres, me perdoem o plágio :P). O consumismo, os amigos secretos, os conflitos cotidianos facilmente resolvíveis (sem solução) com uma frase de "feliz natal"... tudo isso é parte do encanto e alienação bizarros que toma conta de todo mundo nessa época.
Santa, am am, sacaram o trocadilho, am am? :P

Mas o natal não poderia ser melhor representado pela história dos três fantasmas de Natal do Ebenezer Scrooge. O velho era um ranzinza estúpido e, derrepente, vira uma pessoa tri legal. Garanto que assim que a neve baixou ele voltou a colocar suas prioridades de acumulação de capital no topo e tudo voltou ao normal... mas não vem ao caso.

Essa é a época das pessoas colocarem as perspectivas pro próximo ano. Até eu faço isso, apesar de ter me mantido esse ano em estado de espera, deixando as reflexões de "como tornar o mundo melhor" em suspensão até dar um jeito na minha própria vida. [Aliás, esse era o assunto que eu estava conversando com o Gabriell ontem, de que muita gente prega na igreja que as pessoas devem trabalhar na igreja e não perder tempo criando um patrimonio na terra, onde a traça e a ferrugem consomem, mas no céu, onde não há corrupção. Putz, não é questão de criar patrimônio na Terra, é questão de ter estrutura de vida. Como eu vou ajudar meu próximo se não ajudo nem a mim mesmo? Pois bem, esse é assunto pra outro post.] Inclusive estou devendo um post "retrospectiva" onde coloco em pauta todos os prós e contras do ano e penso como seguir em frente. Com certeza, e sem ironias agora, esse ano foi bem construtivo, valeu muito a pena.

Mas, sobre as perspectivas das pessoas quanto ao futuro: existe uma grande chance de elas não se concretizarem - inclusive as minhas. Os anos são ciclos superficiais. Ninguém termina o ano de fato. O ano não começa nem termina. Ele só existe no calendário. Na vida real o dia 1 vem 24 horas depois do dia 31, que vem 24 horas depois do dia 30 e assim por diante. Se houvesse uma grande mudança no mundo na virada do ano (como vai ser quando Jesus voltar), concordo que as coisas seriam facilmente transformadas. Mas como é um dia normal decorrido de outro dia normal... não, é muito improvável que mude algo.

Além disso, por mais que as perspectivas venham numa época predeterminada, as grandes mudanças não tem hora pra acontecer. Um filho, um câncer, um acidente, um vicio, um aumento de salário, uma transferência de cidade... muitas das variáveis são menos programáticas que as que planejamos. E por mais que algumas das variáveis sejam planejadas (como uma formatura em um curso), as variáveis indefinidas podem facilmente estragar esses planejamentos - o que você faria se recebesse uma transferência de emprego com um aumento drástico de salário quando está quase terminando a faculdade...? aceitaria a transferência ou terminaria a faculdade? não tem como responder qual opção é a melhor.

Mudando um pouco de discussão: É legal ver a cidade iluminada; é legal ter um dinheirinho extra; é legal ver gente que não via faz tempo, porque tiraram férias e puderam nos visitar; é legal comer comidas divertidinhas; é legal ver tudo meio bobo; é legal fazer cantatas de natal; é legal comemorar um suposto nascimento de Jesus (lembrando que, apesar das minhas arriadas, eu curto essa idéia também); é legal ver gente se dando presentes; é legal comprar um presente pra alguém; é legal ver piadas com papais noeis; é legal ver papais noeis na tv; é legal usar gorrinhos vermelhos; é legal ser normal... sempre lembrando que depois que isso tudo passar e a globeleza começar a sambar em meio aos reclames do plimplim, tudo volta ao normal e continuamos sendo as mesmas pessoas de sempre, tão egoistas, estúpidos, implacáveis, contraditórios, rabugentos e hostis a qualquer coisa não muito comum... e, Deus que nos perdoe, mas somos assim.

Paztejamos

18.12.11

Supernovas - Grandes Fontes de Ferro

Como dá pra ver, ando desenhando bastante. Por enquanto meus desenhos no paint não andam grande coisa... mas acho que  com o tempo e a pratica o traço deve melhorar. To até conseguindo desenhar os personagens de algumas formas que achei que não conseguiria (como sentados à mesa).

Eu sei, as variações quadro a quadro são pouquissimas, dado que eu fiz com ctrl+c ctrl+v :P
Essa tirinha foi inspirada nesse link: http://www.criacionismo.com.br/2011/12/explosao-de-supernova-da-pistas-sobre.html

Alguém comenta aí como a Priscilla ta linda nos meus desenhos... ela se odiou ¬¬ dane-se, não mandei me namorar :P

Paztejam

14.12.11

Um Desenho Non-Sense de Natal que Fiz Agora Por Acaso...

to vendo que pode ficar ruim pra ler... qlqr coisa clica na imagem que melhora =D
Pra ser breve quanto ao assunto: acho ridiculo aquele cara que acha que porque natal é o nascimento de Jesus não se deve ensinar as crianças sobre papai noel e companhia. Meu amigo, me desculpe, enfeitar a casa, montar pinheiro e ligar luzinhas, se tem crianças em casa, é algo fundamental. Aqui em casa agente não se envolve muito nessas coisas mas aqui todo mundo é velho.

O pior é que o cara que acha que não se deve falar em papai noel no natal porque o "verdadeiro sentido é Jesus" nem está sendo coerente. O Nascimento de Jesus nem é tão importante para a teologia cristã. Jesus nem deve ter nascido em dezembro. O Natal cristão é mais uma tentativa Romana histórica (bem sucedida) de aproximar festas pagãs (solstício de verão no hemisfério norte) a eventos cristãos. Então vamos parar de guerrinhas toscas e vamos comer, beber, dar presentes e aproveitar que nessa época pelo menos os carros param na faixa de segurança e um Feliz Natal parece resolver um possível esbarrão no supermercado.

Paztejamos

Minhas Desculpas ao Dia da Bíblia

Há alguns dias atrás eu fiz um post chamado "freak show" que demonstrava meu temor quanto ao dia da Bíblia aqui em Guaíba. Na hora que eu escrevi estava sendo sincero assim como vou ser agora nesse texto.

O dia da Bíblia foi simplesmente sensacional. Tirando umas puxações de saco do prefeito e (principalmente) do vice-prefeito, o evento foi muito construtivo, fez nossa igreja "respirar" bons ares. E digo isso mesmo com o envolvimento das igrejas neopentecostais (que não foi tãããão opressivo quanto eu achei que seria). Acredito que foi construtivo até pras igrejas neopentecostais respirarem um pouco de 'doutrina' (coisa que lhes falta e muito!).

É muito bom colocar os crentes (eu incluso) pra conversar juntos e aos poucos, pela exposição de todas as idéias, chegarmos a um denominador comum. O sábado bastante pregado pelos adventistas (sábado esse que eu simpatizo), por exemplo, é algo que os evangélicos deveriam ouvir atentos, a fim de, no mínimo, guardarem o domingo (porque evangélicos simplesmente não guardam dia nenhum - o que, pelo menos eu considero, é antibíblico).

Foi legal ver que até um pessoal da igreja luterana (que normalmente se excluia desse tipo de ajuntamento) estava lá. Mesmo que a congregação luterana em si não "adira" (passado de 'aderir'...existe essa palavra?) ao movimento, pelo menos alguns representantes estavam, pra demonstrar a simpatia.
Ando praticando meus desenhos no paint :P eu sei que não são uma maravilha, mas com o tempo melhora =D

E quanto aos assembleianos, como demonstra meu desenho, é legal que eles desentoxiquem um pouco, se desfaçam daquele pensamento de que o terno ou a saia é que salvam e que obreiro tem que ser carrancudo e andar com Bíblia de estudo embaixo do braço. Aliás, esse foi o tema de um dos discursos do pastor Gastão, presidente do COPEG (o Conselho de Pastores Evangélicos de Guaíba, que está por trás desse ecumenismo - por que não? - evangélico): de que a Palavra de Deus não está no papel em que foi impresso ou no tamanho da letra, mas no conteúdo intelectual, no texto, na semântica, na interpretação e aplicação da Palavra. Tomara que com o tempo nossa igreja possa se desfazer dessas frescuras, porque bá, as vezes eu fico no limite pra trocar de denominação em função dessa baboseira... e muitos são os que já saíram da igreja em função dessas babaquices.

[A tempo: respeito quem se agarra nessas coisas, mesmo que não goste. Acho bonito e tenho total certeza que Deus aceita o sacrifício da irmã que não corta o cabelo e do obreiro que, mesmo no calor de 40º, se sente no compromisso de botar um terno. Mas quando essas pessoas tentam impôr esse comportamento pra mim a coisa vira de lado. O irmão que se sente mais crente que eu porque faz essas (ou outras) coisas desnecessárias; o irmão que acha que, por eu não botar terno, não posso ser salvo; o irmão que me julga dizendo que se eu botar um piercing ou fazer uma tatuagem estou pecando e vou pro inferno; esse irmão, tadinho, está fazendo como Jesus disse: coando mosquitos e engolindo camelos. A Igreja é o lugar perfeito pra que um cara metaleiro com barba e cabelo compridos e roupas pesadas de couro sente-se ao lado de uma senhora de saia de cabelo branco e divida a Harpa Cristã com ela. É o lugar onde, independente de diferenças, as pessoas podem cultuar a Deus. Assim, o cabelo, o brinco, o piercing ou o terno não são o foco do Evangelho, mas sim o amor, o cuidado, o respeito, os bons costumes éticos e morais. O irmão que guarda aquelas coisas, mas negligencia essas está, no mínimo, com valores invertidos. Enfim... detesto ter que escrever um apêndice enorme sempre que faço comentários que já sei que vão ser mal interpretados.]

Paztejamos

13.12.11

Evidências Arqueológicas do Relato do Êxodo

Achei essa pérola e não tinha como não compartilhar. Eu queria postar no facebook ou orkut, mas como deletei, o blog serve também.

http://questaodeconfianca.blogspot.com/2009/03/o-esquecimento-de-hatshepsut-evidencias.html

Basta clicar no link. Estou com preguiça copiar aqui.
Mas, sinceramente, leia, vale muito a pena. Os detalhes arqueológicos são únicos.

Paztejamos

9.12.11

Freak Show


Passei até tarde hoje com a Priscilla fazendo trufas. Mas não posso deixar de escrever sobre isso hoje ainda.


andei lendo muito o Ryotiras.com e me inspirando nas tiras... mas pena, eu não sei desenhar :/
Amanhã são as comemorações do dia da Bíblia. Ao que tudo indica vai ser um evento legalzinho, com todas as igrejas reunidas tendo uma idéia congregacional. Tudo bem... eu também curto o ideal. Cristãos são melhores (como diz o slogan da festa) quando esquecem um pouco suas diferenças e trabalham juntos em favor de algum propósito. Aliás não só cristãos, mas todo tipo de gente.

Mas o que eu tenho medo é de como isso vai acontecer. Putz, eu tenho um grande temor que as igrejas neopentecostais "tomem conta" do evento. Já é de se saber como eu "A-DO-RO" as idéias dos neopentecostais: tanto a de orações malucas de gente caindo, como de "guerra espiritual paranóica" (como se Deus não fosse mais poderoso que o diabo), confissão positiva, e a tão odiada teologia da prosperidade. Coisas terríveis.

E meu temor não é descabido: os panfletos do dia da Bíblia não falavam em Jesus, falavam sobre a presença de ídolos superstars gospels - gente que, sinceramente, não conheço -, inclusive de um ex-vocalista do Toque no Altar (um grupo aí com sérios desvios teológicos).

Pra mim sinceramente não importa grandes coisa. Neopentecostal ou não, esse evento não vai transformar minha vida. Mas o que eu cismo é que tende a ficar cada vez mais complicado explicar pros outros "a razão da nossa fé" de maneira bem cabida, visto que esses outros estão com cada vez melhores exemplos de horrores ditos cristãos mas que na verdade ensinam exatamente como não seguir Jesus.

Eu sinceramente espero que minha previsão sombria se mostre ridicula e que nada disso aconteça. Tomara Deus que as coisas que me vem na cabeça não se concretizem. Ultimamente aprendi a andar pessimista em relação a ajuntamentos cristãos... quero poder aos poucos me desfazer desse pessimismo.

E, por último, espero que eles não exagerem no som e não passem muito da hora de dormir. Mas isso eu acho que não acontece porque a rigidez da lei parece ser sermpre maior pros crentes - o que pra mim é ridiculo, mas tudo bem.

Paztejamos e boa noite.

6.12.11

Ortodoxia 2 (o 1º não foi publicado no blog e não foi eu quem escreveu)

Sempre soube que nosso posicionamento "herege" fortemente fundamentado na Bíblia - ao contrário de consideravel parte de "doutrinas" vigentes - nos causasse, no fim das contas, encômodo e dores de cabeça. Sempre imaginei que, como se espera em instituições com determinado conservadorismo, nos contrariassem sem nem primeiro tentar nos entender.

E nem me admira que queiram simplesmente nossos corpos, e não nossas mentes, e que, dado o sofisticado instrumento de alienação vigente, rejeitem toda autocrítica como se ela fosse ofensiva - e não construtiva - ao avanço da instituição. (Nem sabem eles que estamos cagando para o avanço da instituição - também minusculamente escrita -, apesar de sempre colocarmos palavras que a apoiem. Ao contrário, somos a favor do crescimento da Instituição, em maiúsculo, mesmo que em detrimento da corporação menor.)
somos como os 300: poucos sem poder guerreando contra muitos poderosos

O que me admira é que distorçam nossas palavras para que pareçam mais violentas - o que de fato as vezes são - e que deturpem nossas idéias, críticas e desabafos, tornando-os blasfêmias aos elevados a título de santo, como se pecassemos não só contra Deus mas também contra o "panteão menor", que se institui em toda religiosidade tradicionalista. Ora, blasfêmia é elevar alguém a título de santo; blasfêmia é corromper as palavras dos próximos de maneira a favorecer interesses; blasfêmia é instituir um "panteão menor" cujas atitudes são isentas de pecados e cujas idéias são "a ordem de Deus na Terra". Voltamos à Idade Média? Voltamos ao antigo Egito? voltamos a um tempo em que se instituiu um sacerdócio 'ordenado por Deus' e que tem a "palavra da verdade" - propositadamente em minúsculo - e ai daquele que versar uma crítica em contrário?

Não se apercebem do paradoxo. Não se apercebem que aqueles que possuem os maiores títulos são os que se menos trabalham. Ou não dispensamos sábados e domingos inteiros - e outros dias da semana também - em atividades eclesiásticas que evidentemente não nos retornam lucro nenhum se não o prazer em ver a atividade bem feita, a satisfação do próximo e o avanço do trabalho? O sacerdócio porém, tirando uma ou outra excessão - justamente mencionada aqui -, nunca vi atuar dessa forma, a não ser quando, depois de tudo pronto, sentam em seus palanques e versam - ou verberam, eu diria, dado o tom de voz usado normalmente - sobre um suposto fundamento que deveria trazer paz e luz, mas que, a cada dia me convenço mais, dependendo da forma como é apresentado, traz é confusão e alienação.

E não que nos importemos com tal paradoxo, porque nossa Coroa não é aqui. Não é pelo mérito que fazemos parte dessa instituição - por mais que achemos que alguns do sacerdócio busquem exatamente isso (ou o que seria expressões como "fazer o nome" ou "pregar bem", se não menções a fama de determinadas pessoas). Gostamos apenas de apontar esse fato pra demonstrar a grandeza da contradição presente na instituição, a fim de fazer o sacerdócio se não se reposicionar, ao menos refletir.

E fiquem atentos os interpretadores compulsivos de indiretas em textos alheios, porque eu, ao contrário de outros mais tímidos (ou mais sábios) entre nós "hereges subversivos", não tenho papas na língua e tenho mais de uma língua pra dobrar cada argumento falacioso e tendencioso contra mim ou contra aqueles que entre nós faz menção às práticas descabidas do sacerdócio ou daqueles que o veneram - substituindo a glória de Deus -, com o objetivo de eliminar as contradições. Interpretadores compulsivos de escritos que não existem e vozes que não disseram, saiam por aí falando o que não falamos, mas não se esqueçam de que terão que prestar contas com Deus pelos seus falsos testemunhos! Vocês que lerem isso saberão que me refiro a vocês e não a outros; e outros que lerem saberão que não me refiro a eles mas a vocês. Porque nos é demonstrado nem o 'glorificado' entre os sacerdote compartilha das fés - ou fezes - dos glorificadores; o santo de vocês crê em Deus e sabe que é pecador, então por que vocês insistem em santificá-lo?

Enfim. Esse é um desabafo sobre um desabafo distorcido. Quem lê entenda. E quem não entender, que pelo menos entenda e tenha convicção que dias difíceis vêm, em que relembraremos a Idade Média e em que uma nova Reforma será instaurada. Eu creio assim, porque tenho uma ingênua fé em que as coisas vão melhorar.

Muitas aqui são as palavras não ditas que vieram a boca mas o dedo não escreveu. Descobri que é sabio deixar certas coisas a serem ditas em seu tempo, a fim de atingir o Propósito.

Paztejamos

1.12.11

E Chegou Dezembro

Estamos quase lá, fim do ano!
Estou contando com isso =D

Esse ano rendeu bastante. To só esperando chegar o fim pra fazer um balanço bem específico e minucioso das minhas experiências. 2011 foi muito bom!

Que dezembro corra, e 2012 venha com tudo.

Paztejamos